Diga NÃO ao tráfico de animais


Dia 22 comemorou-se o Dia da Biodiversidade. Uma data para agradecermos a riqueza e a variedade de formas de vida no planeta como plantas, animais, microrganismo, ecossistemas, entre outros. Mas também, uma ocasião para nos conscientizar sobre os problemas que ameaçam a biodiversidade, como por exemplo, o tráfico de animais.

Afinal, ter animais silvestres em casa não é legal em seu duplo sentido, pois afeta tanto as espécies, quanto o equilíbrio de todo o hábitat do qual deveriam estar inseridos.

05

 

Quais são os animais silvestres?

Animais silvestres são aqueles pertencentes às espécies nativas, migratórias e quaisquer outras, aquáticas ou terrestres, que tenham a sua vida ou parte dela ocorrendo naturalmente dentro dos limites do território brasileiro e suas águas jurisdicionais. O acesso, uso e comércio desses animais são controlados pelo IBAMA*. Já os animais domésticos, como gatos e cachorros, possuem estreita dependência do homem.

*IBAMA – É a abreviação para Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis, é um órgão federal que cuida da natureza.

Várias espécies animais são adquiridas ilegalmente, mas as aves estão entre as principais, como o canário-da-terra, o sabiá-laranjeira e o papagaio-verdadeiro. Entretanto, iguanas, jabutis, tigres d’água, bugios, macacos-prego também são frequentemente vítimas do tráfico.

 

O que fazer?

Se você encontrar alguém vendendo ou mantendo um animal silvestre preso em casa sem autorização, você deve denunciar ao IBAMA pela “Linha Verde” 0800-618080. O atendimento é 24 horas, pelo site www.ibama.gov.br/cadastro-ocorrencias, ou denuncie à Rede Nacional de Combate ao Tráfico de Animais (RENCTAS), por e-mail, renctas@renctas.org.br.

Se você ver uma feira livre ou um depósito de tráfico, denuncie e forneça o maior número de informações possíveis. Os dados do denunciante sempre serão preservados. Deve-se passar as informações com maior clareza possível, como o local, data, hora, circunstância etc. Se for na beira da estrada, além de não comprar, o ideal é repreender o vendedor dizendo que isso é ilegal e que se ele for flagrado pode, além de perder o animal, sofrer as sanções legais.

Caso você se interesse mais pelo tema, o IBAMA tem um Acordo de Cooperação com a RENCTAS que possui página específica na internet sobre o tráfico de animais silvestres: www.renctas.org.br

 

carteirinhaConscientizando nossos visitantes

No último domingo, distribuímos carteirinhas contra o tráfico de animais para os visitantes. No verso, eles podem encontrar informações sobre o que fazer caso encontrar alguém vendendo ou mantendo um animal silvestre preso em casa sem autorização.

Se você veio nos visitar e recebeu sua carteirinha, faça como a Viviane. Tire uma foto com seu desenho ou foto e publique no Facebook  www.facebook.com/aquariodesp  para mostrar a todos que dizemos NÃO ao tráfico de animais! Quanto mais gente postar, mais pessoas conseguiremos sensibilizar por essa causa.

 

 

 

 

Animais não são brinquedos!

Aqui no Aquário de São Paulo recebemos muitas ligações de pessoas que querem fazer doação de animais, principalmente tartarugas tigre d’água e cágados, por não terem mais espaço devido ao crescimento dos indivíduos. Por esse motivo, gostaríamos de alertar sobre a importância de adquirir um animal (desde que não seja de maneira ilegal) e de maneira consciente.

curiosidades-07

 

Lembre-se se certificar-se sobre a origem dos animais antes de pensar em adquiri-los e ter certeza que o animal não foi vítima do tráfico!